segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Descolonização


Fonte.

1. A descolonização foi um vergonhoso acto de desamor. Um abandono, por parte dos brancos, dos pretos que tinham sob a sua auctoridade e, consequentemente, sob a sua protecção. E uma traição á sua propria raça (a branca), e ás suas proprias "ethnias" (portugueza, franceza, ingleza...).

Os povos intelligentes, civilizados, com cultura, e christãos, isto é, os povos superiores, teem responsabilidades moraes para com os restantes. Com a descolonização, os europeus falharam neste dever, com a consequencia que toda a Africa recahiu ao estado de primitivismo e animalidade que era o seu quando os brancos a descobriram, colonizaram, e conquistaram.

2. Apesar da sua maldade e da sua animalidade, a responsabilidade dos pretos no processo de descolonização é minima. Foram os brancos que, por cobardia, fraqueza, traição, decadencia, falta de orgulho e intellectualismo, provocaram a grande desgraça que soffreram. Num sentido profundo, mereceram aquillo que lhes acconteceu. Mas não pelas razões que ignorantes e deshonestos propagam (racismo, occupação da terra alheia, etc...).

3. Nas proximas decadas, toda a Africa negra vae ser recolonizada e reconquistada (internamente ou externamente), pelos brancos e seus descendentes semeados em mulheres locaes. Este processo accelerará apoz os paizes occidentaes restabelecerem regimes autocraticos no seu seio.

4. A diferença fundamental entre brancos e pretos não é racial, mas social. Os conflictos entre brancos e pretos são, na verdade, conflictos de classe.

5. Uma completa separação entre as duas raças é impossivel, por razões psychologicas, economicas, e politico-militares. Por outro lado, a desegualdade entre as raças é abysmal. A unica maneira das duas raças coexistirem passa pela estratificação da sociedade, o que implica o restabelecimento de hierarchias, e é a negação dos principios democraticos, constitucionaes, e egualitaristas. Esse processo, historicamente, fez-se atravez de instituições paternalistas e autocraticas como o apartheid, a escravatura, a monarchia, e uma maior ou menor segregação. O logar do preto é por baixo, e á distancia.

6. Até ao fim dos tempos, o preto estará sob a auctoridade do branco, como vassalo, escravo, subdito, empregado (mais ainda, como creado), soldado e afilhado. Nenhum histerico pode impedir isso. Nenhum branco que queira preservar a sua vida, os seus bens, a sua civilização e a sua cultura pode fugir á necessidade de assumir virilmente o poder. Do mesmo modo que a mulher força o homem a assumir o seu logar de chefia na familia, o preto força o branco a acceitar majestosamente a auctoridade que o seu physico, a sua mentalidade, e certas memorias historicas lhe dão. Não é o branco que affirma a sua superioridade e a sua primazia. É o preto que lha reconhece, e que espera do branco attitudes consequentes. Ha povos que foram feitos para mandar, e outros para obedecer.

Ian Smith


Biographia na Wikipedia

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Objectivos Militares

1º Rasgar a Constituição.

2º Accabar com a Democracia.

3º Enforcar na praça publica todos os Deputados, o Primeiro-Ministro, e o Presidente.

4º Restaurar a Monarchia Catholica.