sábado, 31 de outubro de 2009

Ó Gaspar, Vai-te Catar

Pelo Filipe Abrantes, 29 de Outubro 2009, no Insurgente

Mete nojo o texto hoje escrito pelo Miguel Gaspar, no Público, sobre Vaclav Klaus e a sua “teimosia” em não assinar o Tratado de Lisboa. Diz ele: “sozinho contra a evidência, sozinho contra a História, sozinho contra um continente: é esta a teimosia do homem [Vaclav Klaus] que queria destruir o Tratado de Lisboa”.

Mas onde é que este idiota vai buscar a ideia de que o continente europeu (pressupondo que se refere à maioria da população do dito) quer a porcaria do tratado e que a teimosia de Klaus tem contrariado esta vontade? Só na sua cabecinha, certamente poluída com balelas progressistas (a UE seguindo o sentido da “História”) e mitos grandiloquentes (a UE como uma “evidência”!, o paradigma do Bem na Política Democrática em grande escala, promotora da Paz e do Desenvolvimento).

Não acredito que o Miguel Gaspar desconheça que se não fossem os governos a inviabilizarem a realização de referendos, o tratado já estaria morto e enterrado há muito. É triste ver a nossa elite intelectual (salvo seja), representada pela totalidade da nossa classe política e pela grande maioria dos jornalistas, submissa e entregue à vontade dos governos que não fazem mais do que seguir a vontade da História…

Este Gaspar ainda tem o desplante de chamar “casmurro” a Vaclav Klaus por – pasme-se – ser um céptico do aquecimento global! Vamos lá ver, com jornalistas destes não precisamos de jornalismo para nada. Se fossem para o desemprego, não se perdia nada.

Copyright Filipe Abrantes