terça-feira, 22 de março de 2011

War

Pelo Gabriel Silva, 20 de Março 2011, no Blasfémias.

Não deixa de ser curioso, e ao mesmo tempo profundamente triste que por cada guerra que se inicia no mundo muitos achem que o mundo fica mais seguro.

Há também os que acham que por cada conflito interno os outros estados devem interferir. Para salvar os inocentes e os «bons». Claro que para isso é preciso bombardear, destruir, invadir e matar inocentes. Mas é para bem deles…..

Há mortes de civis que são danos colaterais. Há outras mortes de civis que são crimes contra a humanidade. Depende do rótulo. E do «juiz».

Por cada conflito interno irá abrir-se uma frente de batalha intervencionista por parte do militarismo ocidental? Vamos ter uma polícia mundial? Hum… vá lá, parece que ainda não, os sauditas invadiram um país vizinho onde ajudam uma minoria a reprimir pela violência uma maioria. Mas para muitos serão os «nossos sacanas» e os «nossos» fundamentalistas.

Há quem acredite que da poeira e destroços das bombas estrangeiras se assegurará a liberdade na Líbia. Coitados. Deles e de nós.

Há quem entenda que países democráticos podem entrar em guerra sem autorização dos seus povos e dos seus parlamentos mas por mera decisão de vagos foruns internacionais e do poder executivo, comprometendo milhões dos seus cidadãos em custos, responsabilidades e consequências e riscos imprevisíveis e sem que sequer seja esclarecido do interesse desses países em iniciar uma nova guerra. É uma tolerância ao despotismo nesse aspecto não muito diferente daquele que se pretende combater.