segunda-feira, 6 de junho de 2011

Tretas Da Esquerda


Cohn-Bendit et les accusations de pédophilie... by asi


Tem piada ver as posições da Esquerda sobre questões "fracturantes". A Esquerda costuma geralmente aceitar o "princípio" segundo o qual tudo o que não é crime é bom (e já agora, toda a gente devia experimentar!...). Com esta atitude, a Esquerda chega a conclusões completamente delirantes. Em nome do combate às medidas liberticidas de estatistas conservadores, acaba ela própria por promover injustiças. No mínimo, defende comportamentos socialmente ou pessoalmente destrutivos, isto é, imorais e decadentes.

ABORTO

O liberal: o aborto é legítimo e não deve ser proibido. (Sobre esta questão, incidentemente, há discussão no seio dos próprios liberais. Alguns consideram o aborto como um homicídio, caso em que seria legítimo punir as mulheres e os médicos que o praticam.)

O conservador: o aborto não vai no sentido da preservação da família e da sociedade, e deve por isso ser combatido.

O esquerdista: Aborto é fixe! Toda a gente devia ter pelo menos um aborto na vida. Eu aborto/Tu abortas/Ele aborta/Nós abortamos/Vós abortais/Eles abortam. Eu tive um aborto e gostei muito. O aborto deve ser legal e gratuito, com os tributados forçados a pagar por essa prática, quer gostem ou não (mesmo se consideram o aborto como um homicídio, "porque o povo escolheu em referendo"). Um referendo pela legalização do aborto é legítimo. Um novo referendo pela proibição do aborto seria completamente inaceitável.

DROGAS

O liberal: cada um é dono de si mesmo e da sua propriedade, e deve por esta razão ter o direito de pôr qualquer tipo de substâncias no seu corpo. O consumo, a venda e a produção de drogas devem ser legais.

O conservador: as drogas são destrutivas e o seu uso/produção são imorais. Estas práticas devem ser desencorajadas e/ou proíbidas.

O esquerdista: Legalize! (Menos as drogas duras, vá-se-lá saber porquê). O mercado livre não pode fornecer drogas de forma adequada e segura. O mercado das drogas deve ser regulado/taxado/controlado pelo Estado. Mais ainda, os toxicodependentes devem ter acesso às drogas de que precisam em centros especializados (vulgo "salas de chuto"), geridos pelo governo, e financiados pelo contribuinte. As drogas não são um crime, são um direito!

CASAMENTO GAY

O liberal: o casamento, qualquer que seja o tipo e a definição que se lhe queira dar, deve ser uma questão privada, mútuamente voluntária, contratual e fora do âmbito do Estado.

O conservador: o dito "casamento" gay vai contra a preservação e o crescimento da sociedade, e contra a transmissão dos seus valores às gerações futuras. Deve ser evitado e combatido.

O esquerdista:
o casamento gay é tão bom e tão respeitável como qualquer outro. A comunidade LGBT tem todo o direito de ver os seus direitos e as suas aspirações reconhecidos pela sociedade. Por isso, o Registo Civil deve reconhecer essas uniões, não obstante as objecções de alguns contribuintes mais retrógrados. Todos deviam experimentar levar no rabo pelo menos uma vez na vida (principalmente os contribuintes que não gostam de ver os seus impostos financiar um Registo Civil pró-casamento gay). Só depois de se ter visto os dois lados duma questão se pode tomar uma decisão acertada.

PEDOFILIA

O liberal: O jovem ganha o controlo sobre si mesmo (e logo sobre a sua sexualidade) na altura em que se emancipa dos seus tutores e se torna independente (sustentando-se a si próprio pelo seu trabalho, nomeadamente). Enquanto não ocorrer a emancipação do jovem, ninguém tem o direito de cometer actos que ponham em perigo a integridade física das crianças/jovens. Os pais têm sobre a criança direitos de tutores, mas não direitos de propriedade. Mesmo após a emancipação do jovem, qualquer um tem o direito de aplicar meios de pressão não-coercivos sobre aqueles (nomeadamente adultos) que se envolvam em actos sexuais que julgue imorais (de pela relativa juventude de um qualquer dos participantes). Estes meios de pressão podem consistir na denúncia pública, no ostracismo, no insulto, e em auto-restrições contratuais impostas no seio duma comunidade qualquer pelos seus membros.

O conservador: tendo em conta os perigos (gravidez indesejada e dificuldade para uma mulher em encontrar um marido se tiver préviamente um filho fora-do-casamento, doenças sexuais, ataque à integridade física do jovem) que a sexualidade precoce e fora do casamento implica para os jovens, deve ser evitada e abaixo de certos limites de idade severamente castigada.

O esquerdista: quando um padre católico maltrata uma criança, é toda a Igreja que está em causa. Quando os meus amigos de Esquerda, maçons, artistas, judeus e outros indivíduos por pura coincidência próximos do Poder são acusados de se envolver com crianças, trata-se dum cabala e dum linchamento mediático. As acusações ignóbeis proferidas contra o P***o P*****o, o Jacques Lang, o Frédéric Miterrand, o Douste-Blazy, o Daniel Cohn-Bendit e o Polanski não têm a mínima credibilidade. No pior dos casos, eles contribuíram simplesmente para ajudar os mais novos a tomar consciência do seu corpo, despertando a sua sexualidade.

Tretas de esquerdistas. Esquerdistas da treta.