sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Pedro Arroja: Um Pai Em Luta Contra A Tradição



A 4 de Setembro de 2012, o Pedro Arroja escreveu o seguinte:


"No modelo tradicional da família católica, a função prioritária da mulher é cuidar dos filhos e, pelo menos enquanto eles são pequenos, só ocasionalmente ela trabalha fora de casa. Compete ao homem auferir o rendimento que permita sustentar a família. O dinheiro ganho pelo homem é depois entregue à mulher para que ela possa satisfazer as necessidades da família." 

A 14 de Maio de 2012, escreveu o seguinte: 

"Eu não acredito que D. Duarte tenha algumas hipóteses de vir a ser Rei. Mas o filho mais velho tem.

Acontece, porém,  que os pais já cometeram um erro de palmatória. Puseram o filho, ainda na tenra idade de 12 ou 13 anos, a estudar em Inglaterra, num colégio interno. Se ele não vier de lá um dia protestante e a desprezar a cultura portuguesa e católica, virá certamente a falar mal português, como aconteceu ao pai quando regressou do estrangeiro.

Será que, com este currículo, os pais esperam que ele alguma dia venha a ser Rei de Portugal?"
Ora, o que é que se foi descobrir a 24 de Setembro de 2012? Que o Pedro Arroja mandou a filha estudar para... Inglaterra. 

"De hoje a um mês estarei em Londres para assistir à Graduation da minha filha M. que, em Junho, terminou o seu curso de Farmacologia no King's College da Universidade de Londres.
 
A M. foi para lá viver em Setembro de 2008, tinha então dezoito anos."

O Pedro Arroja não se admire se ela não lhe der netos, e preferir em vez disso "concentrar-se na carreira". Afinal de contas, é natural que uma mulher habituada desde cedo a viajar para longe, a ser independente, a ter a possibilidade de ter múltiplos parceiros sexuais sem que os pais possam pôr um travão a isso, e a funcionar como igual num meio de homens (a universidade, e o mundo do saber), não se queira depois submeter a um homem lá da terra do pai, fazer-lhe filhos, lavar-lhe as cuecas, cozinhar por ele, e adoptar um estilo de vida de dona de casa portuguesa. Afinal de contas, não lhe é "igual" ou até superior, ela que até esteve em Londres?! 

Quando mesmo um tradicionalista como o Pedro Arroja não percebe que uma mulher deve passar da casa do pai para a casa do marido, financiando as aventuras da sua filha, isso mostra bem o estado de decadência familiar e cultural a que Portugal chegou. O que as estatísticas da natalidade não desmentem.