domingo, 24 de fevereiro de 2013

Deixar as Drogas

Uma das melhores coisas que se possa fazer, para viver uma vida sossegada e saudavel, é cortar totalmente com o veneno dos merdia. Televisão, telejornaes, telenovellas, Facebook, Twitter, transmittem quase só porcaria. Transmittem immoralidades, ignorancia, barulho, emoção. E a maior parte do tempo fazem-no de forma subtil, o que não permite às pessoas defenderem-se facilmente.

Quem afasta estes vicios da sua vida começa por sentir falta. Sente um vazio. É preciso auto-disciplina. Mas depressa passa a occupar a sua vida de forma muito mais productiva. Tem mais tempo para ler, para escrever, para passear e viajar, para ver um bom filme, para cozinhar comida a serio, para practicar um desporto ou um hobby, para trabalhar, para crear um negocio, para se consagrar a uma missão. Está mais inclinado a sociabilizar directamente com as pessoas, de forma não artificial, e a fazer verdadeiros amigos. Quem está nos vicios merdiaticos fica com a mente longe daquelles que estão perto de si. Deixa de conversar com os da sua propria casa.

O problema com esses meios de propaganda é que uma pessoa, ao se absorver no seu seio, perde o controlo de si mesmo. Ja não é a pessoa que escolhe o que faz, o que pensa, e o que consome. São os outros que lhe enchem a vida. A TV, por exemplo, zombifica completamente as pessoas. O peor de tudo é que são as pessoas mais reles, mais immoraes, mais decadentes, mais malucas da cabeça, mais frustradas, que costumam ser mais activas nesses meios. São pessoas que pela sua linguagem, pelo seus valores, e pelo seu meio social, não representam de forma alguma a grande maioria da população. Mas estão sempre a “trabalhal-a”. As pessoas com quem se lida no quotidiano, apesar dos seus defeitos, são muito mais simples e puras. Podem ter algum negrume no coração, mas não fazem profissão de lançal-o para a praça publica. Não são tão activas no mal. As telenovellas, os filmes, as reportagens, tentam constantemente transmittir valores “modernos” e decadentes. Não vale a pena sujeitar-se a tanta lavagem cerebral.

Os merdia deixam as pessoas num estado de perpetua agitação. Fazem parecer o mundo muito peor do que elle é. Os jornaes só mostram o mal. Aquillo que mostram acaba por ser pouco representativo da realidade. Passam duma excitação à outra, mas nunca analysam os problemas a fundo. Parecem baratas tontas, mulheres sem homem. Servem por norma de altifallante para os varios lobis parasitas que beneficiam do systema installado, mas raramente defendem as suas victimas. Ao ouvil-os, uma pessoa perde tempo, e fica burra na mesma. Alem disso, fica desnecessariamente pessimista. Parece-lhe que tudo o que possa fazer está destinado a falhar. A matracagem de más noticias é tanta que esse resultado se torna inevitavel.

Finalmente, sites como o Facebook e o Twitter empurram as pessoas para o debatte. Debatte que, por ser publico, acaba a maior parte do tempo por ser deshonesto e aggressivo. Debatte que não visa convencer, mas vencer. Debatte que não é uma discussão interessante e constructiva, mas um combatte inutil. Barulho. Poluição. Cria-se desnecessariamente inimigos, fica-se sempre enervado, e não se ganha nada com isso.

Os nossos antepassados passavam-se muito bem dessas modernices. Ha boas razões para os imitarmos.