domingo, 8 de janeiro de 2017

Spinola: Palerma

O General Spinola foi um dos principaes responsaveis das tragedias do 25 de Abril 1974. Numa primeira phase, e como o explicou o Dr. Marcello Caetano nas suas memorias do exilio, subverteu a auctoridade à qual tinha prestado juramento - o Estado Novo. Depois disso, assumiu a chefia do Estado no seguimento immediato do golpe de Estado. Finalmente abandonou e trahiu todos os cidadãos e soldados do Ultramar, com os quaes e pelos quaes tinha luctado, assinando os decretos de entrega das provincias ultramarinas às organizações terroristas que lhes tinham travado guerra.

Feito isso, consagrou as suas energias a combatter - inclusivamente atravez dum de golpe de Estado falhado - os radicalismos de Esquerda que a sua idiotice e immoralidade tinham libertado, o que seria de prever para qualquer homem com conhecimento dos phenomenos revolucionarios. Quando os filhos mactam o pae, os irmãos acabam por se combatter...

Ou seja, esse malabarista sem convicções revoltou-se não contra um, mas sim contra dois regimes que tinha por obrigação proteger! E nas duas instancias de forma illegal e violenta, correndo o risco de provocar guerras civis. Um militar revolucionario que virou do lado da reacção, portanto. O que talvez pudesse ser considerado como uma honrosa tentativa de corrigir os erros passados, e de salvar o paiz, se não estivesse associado à procura do poder pessoal.

Esse homem deve ser considerado como um ambicioso sem cabeça, e pouco mais.

Maldicto bandido italiano.