segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Anti-Fascistas Fascistas

Uma particularidade dos movimentos dictos anti-fascistas - a Esquerda arruaceira, na practica - é a sua tendencia, nas raras occasiões em que se assiste a alguma manifestação reaccionaria, para usar da violencia e da intimidação contra os seus inimigos politicos. Isto vindo de gente que pretende defender a tolerancia, a abertura, e a democracia. A unica Direita que toleram é aquella que não põe nunca em questão os "avanços" e "progressos" da Esquerda: a Direita da Esquerda. Mas se alguem quer mudar de facto o rumo da nação, é immediatamente attaccado.

Não se vê reaccionarios a ir quebrar à paulada manifestações da Esquerda. Se accontece é tão raro que se pode dizer que nunca occorre. Os reaccionarios fazem pressão sobre a auctoridade, e deixam a esta o trabalho de applicar a lei. Teem mais respeito pela ordem. Ou seja, os reaccionarios (ou fascistas, ou populistas, ou extrema-direita, como lhe quizerem chamar), que não fazem questão de ser tolerantes mas affirmam pelo contrario que ha valores acyma da democracia e do pluralismo, accabam por ser mais tolerantes que a Esquerda, sempre com a democracia na bocca.

Na verdade, a Esquerda não é democrata. É democrata quando lhe convem, quando isto lhe permite avançar. Quando as coisas não lhe correm de feição, quando os resultados democraticos não correspondem às suas aspirações, faz tudo para reverter a vontade da maioria (tribunaes, bloqueios de estradas, violencias de rua, etc...). Isto em si não é criticavel: a democracia é um falso deus. Mas a hypocrisia e a incoerencia são quanto a ellas, condenaveis.

Se a questão já não é o ser-se ou não democrata, o debatte é um de valores. E ahi, é a Esquerda que tem que explicar porque é que a Direita deveria envergonhar-se. De facto, não ha vergonha em defender as auctoridades naturaes contra a anarquia, a propriedade privada contra o roubo, a sociedade civil contra as expropriações e os impostos, a nação contra as migrações de massa, a monarchia contra o republicanismo, a familia contra as decadencias, a civilização contra o primitivismo, a Fé contra as heresias.

Não basta gritar "fascista" como quem grita "lobo". Isto só intimida os mais timidos. Se não tem argumentos, a Esquerda é simplesmente clubista. É da Esquerda como quem é do Benfica ou do Sporting. Mas se é uma simples questão de pertenças, a Direita tambem pode defender o seu campo fanaticamente e tribalmente.