domingo, 7 de outubro de 2018

A Impossibilidade da União Europeia

A construcção dum imperio supra-nacional – chamemos-lhe assim – na Europa é dificil por uma razão muito simples: os povos da Europa são povos dispares, desunidos, que não teem nenhuma lingua em comum.

Ja o mesmo não acconteceu com os Estados Unidos da America, que na sua formação foram ajudados pelo uso commum do inglez como lingua de communicação.

Nestas condições, a Europa vae ter dificuldade em crear uma instituição que lhe poderia ser util, face à fraqueza dos seus constituintes isolados: um exercito continental, que poderia pôr todo o continente sob a protecção do arsenal nuclear dum paiz como a França ou a Gran-Bretanha.

A Legalização das Abominações

Imagine-se que o chefe dum grande partido politico propunha a legalização do infanticidio e a sua execução gratuita no Serviço Nacional de Saude. Seria muito justamente considerado como insano ou perverso. No entanto, Portugal não hesitou em legalizar practicas como o aborto ou a homossexualidade, e prepara-se para officializar a euthanasia. Não é fundamentalmente differente duma legalização do infanticidio, ou de practicas como a mutilação genital feminina, que nos veem de Africa.

Em todos estes casos, está-se a assistir à normalização de abominações. Está-se, emquanto civilização, a recahir no primitivismo e na barbarie.

Urge combatter taes perversidades, e não, como o fazem hoje os que falsamente se intitulam de progressistas, normalizal-as.