domingo, 30 de dezembro de 2018

Bashar al-Assad e Vladimir Putin


Trump Derrubado

A justiça americana anda atraz do presidente Donald Trump, por causa de ninharias sem importancia. O homem terá recebido informações dos russos durante a campanha, e pagou a prostitutas com quem teve relações para se calarem.

O facto é que os presidentes americanos, dum campo ou de outro, fazem constantemente coisas muito mais graves - guerras por exemplo - sem que nada lhes aconteça por isso. Geralmente, ha um entendimento tacito entre os partidos, que é o de não se castigar quem foi derrotado nas eleições pelo que fez no Poder.

Tambem se verifica que o Trump tem todos os meios de communicação montados contra elles, e mesmo as elites do seu partido (republicano), descontentes de o ver no poder.

Do lado dos Democratas, a tendencia é para a radicalização. Nas primarias do partido, na campanha presidencial, o candidato mais à Esquerda, Bernie Sander, recebeu o voto da juventude, o que demonstra a linha futura do partido. O partido Democrata é o partido "anti-": é contra a maioria tradicional, branca, christan e conservadora. O partido dos revoltados. O partido dos pretos que não gostam de brancos, de mulheres que não gostam de homens, de judeus e musulmanos que não gostam de christãos, de homossexuaes que não gostam de heterossexuaes, de hispanicos que não gostam de anglo-saxões, de empregados que não gostam dos patrões. E desses ressentimentos nasce a vontade de usar o poder e a lei para destruir.

A Direita, tambem ella, está mais radical. Apesar do presidente Trump ser simplesmente, na practica, conservador, é reaccionario na linguagem e na attitude. Não respeita o politicamente correcto, e é por isso que ganhou.

Se a justiça americana conseguir derrubar o Trump, e fechal-o na prisão, estar-se-á perante um caso sem precedentes na politica americana.

Se a Direita perder para uma Esquerda insensata, se se sentir desprotegida e incapaz de reconquistar o poder democraticamente, entrar-se-á num campeonato completamente novo. Sendo a America uma federação, talvez se assista a movimenos separatistas, ao nivel dos estados membros. Isso já acconteceu antes, e pode voltar a surgir.Talvez mesmo aconteçam eventos mais violentos.


Uma Espada

A posição dos christãos é paradoxal. Por um lado a sua fé ameniza a sua acção (amar e perdoar o proximo), por outro lado, se não houver um poder politico e militar que tome partido pela Egreja, com espirito de cruzada, esta será destruida por toda a parte.

É assim. É paradoxal, é incoherente mesmo, mas a christandade não devia ter pruridos em usar da força para se defender.

Mais valle ser um mau christão, do que não o ser de todo.

Christãos Anti-Christãos

Quando se vê as posições que o mundo occidental - de matriz christan - tomou nas ultimas decadas, a nivel de intervenções militares e diplomaticas, ha francamente razões de duvidar da sua sanidade.

Na Jugoslavia, tomou-se partido por islamistas - no Kosovo e na Bosnia - contra os Servios.

Na Costa do Marfim, tomou-se partido contra o sul do paiz, christão, governado pelo Laurent Gbagbo, e ajudou-se o norte musulmano a tomar o poder (Alassane Ouattara).

No Iraque, invadiu-se o paiz, desbandou-se as forças armadas, com o consequente rebentamento das tensões inter-religiosas, e permitindo o surgimento de jihadistas que se appressaram a limpar o sebo aos christãos.

Na Lybia, destruiu-se um governo estavel, rebentando-o pelas costuras tribaes, e permitindo o surgimento de grupos islamitas.

Na Syria, armou-se e apoiou-se rebeliões islamistas (Al-Qaeda, Daesh) e ethnicas (curdos), contra um governo estavel, legitimo, pacifico, que permitia a existencia da minoria christan.

Esta politica é completamente louca e immoral.

sábado, 29 de dezembro de 2018

Extremistas

O Systema retracta systematicamente os extremistas como um perigo. Mas se se investiga um pouco a historia dos duzentos ultimos annos, vê-se que foram os extremistas que fizeram a situação politica chegar aonde está. Os moderados de hoje são os filhos dos extremistas de ontem.

Na verdade, não é o extremismo em si que é condenavel. O extremismo pode ser bom ou mau. A moderação, bem vistas as coisas, é uma falta de convicções e de coherencia.

A Margem Democratica

A Democracia só funcciona em condições particulares: quando é um theatro ritual sem grandes consequencias para a sociedade. Ou seja, quando se vae alternando no Poder de quattro em quattro annos, e os vencedores respeitam os interesses e direitos essenciaes dos vencidos, não ha problema. Nestas condições, pode-se brincar à democracia.

O problema surge quando surgem forças radicaes à Esquerda da Esquerda centrista. Nestas circunstancias, a Esquerda moderada é obrigada, para governar, a alliar-se aos radicaes, e a attaccar fortemente a Direita. É nestas circunstancias que surgem guerras civis e golpes de Estado.

Medidas Drasticas

Portugal está a morrer, por falta de filhos. A problemas graves, medidas drasticas: tem que se prohibir o aborto, o divorcio, a pilula e o preservativo.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Os Meritos da Colonização

A Europa colonizou e conquistou practicamente o mundo inteiro. Este phenomeno é visto, no discurso dominante, como essencialmente negativo. É preciso pôr em perspectiva essa opinião.

Foi a colonização que pôs fim ao cannibalismo, à mutilação genital feminina, aos sacrificios humanos, ao incesto, à escravatura, ao infanticidio, ao casamento infantil, ao casamento forçado, ao homicidio das viuvas (na India). Foi ella que evangelizou o mundo (o que o tornou mais humano), e foi ella que protegeu as minorias christans da oppressão do Islão. Foi ella que expandiu aos quattro cantos do mundo a technologia, a sciencia, um grande leque de productos essenciaes, a medicina moderna. Foi ella que creou, especialmente em Africa negra, grandes cidades modernas, com electricidade, agua, exgottos e habitação comfortavel. Foi ella que creou Estados modernos, administrações efficientes. Foi ella que levou um sem fim de artesãos, trabalhadores, agricultores e investidores - tudo gente productiva - para o mundo inteiro.

Os europeus teem muito de que se orgulhar na colonização. Não precisam de pedir desculpas todos os dez dias. E teem que ter consciencia que os movimentos separatistas, descolonizadores, racistas, terroristas, communistas e anti-christãos que succederam ao dominio europeu nunca pediram desculpas pelos seus crimes, nem nunca o farão.

Os europeus não devem, qualquer que seja o mal ou o bem que os seus antepassados tenham feito pelo mundo, perder a vontade de luctar pelas suas terras, nomeadamente contra as migrações de massa e as investidas do Islão.

A quem se agacha muito, vê-se-lhe o cu.

Marcello Abdullah

O Presidente da Republica, Marcello Rebelo de Sousa, foi recentemente ao Egypto, a uma mesquita, dizer que o Islão sempre teve o seu logar na Europa. Será que tem noção do que está a dizer? Não tem noção que na Peninsula Iberica, na França, nos Balcãs e na Peninsula Italica, o Islão sempre se impôs pela guerra, e só a grande custo, e com violencia, foi repelido?

Que tal fazermos umas analogias?...

Benjamin Netanyahu: os anti-semitas teem todo o seu logar em Israel.
Agostinho Neto: os portuguezes são muito importantes para Angola.
General de Gaulle: os nazis teem um contributo importante a dar à França.

Dicto assim, soa um boccado esquisito, não é?

Marcello, que é o que ha de mais adaptado ao seu tempo que se possa imaginar, é incapaz de pôr em questão o discurso dominante. Se fosse pigmeu andava na floresta de arco e flecha, a comer insectos. Nem mesmo se um mouro lhe fizesse um attaque terrorista era capaz de pôr em questão as suas assumpções.

Conclui-se que as auctoridades estão a dormir. A nação e a christandade estão desprotegidas.

Islamophobia

A islamophobia é um dos peccados modernos. Islamophobia: o medo do Islão. Ser islamophobo é criticavel ao mesmo titulo que, digamos, ser pedophilo ou assassino.

Tendo em conta que o Islão apela ao jihad e à imposição da Sharia, e que se verifica um sem fim de violencias e attentados no mundo islamico, o que é supposto, por parte dos christãos, fazer? Abbraçar aquelles que nos mactam? Não ter medo daquelles que nos destroem?

Até onde chega a cretinice!

Xenophobia

Marcello Rebelo de Sousa, Presidente da Republica, tambem conhecido por Miss Republica, alerta regularmente para o "perigo dos populismos e da xenophobia". Para a extrema-Direita, em suma.

Em primeiro logar, pode-se perguntar porque não alerta para os perigos da extrema-Esquerda, que sustenta o governo. E porque é que, sendo de Direita (segundo se diz), se sente assim tão distante da Direita radical.

Tambem, pode-se levar a questão um pouco mais longe. Se é mau ser xenophobo - literalmente, aquelle que tem medo do extrangeiro - a questão põe-se de saber até que poncto. Se por exemplo, um milhão de africanos vierem viver para Portugal, ainda é mau ser xenophobo? Não chega? Vamos mais longe. Se cinco milhões de paquistanezes vierem para Portugal, os portuguezes teem razão para estar descontentes? Ainda não chega? Se toda a Africa, a Asia e a America Latina vierem estabelecer-se em Portugal, e os portuguezes se concentrarem nalgumas aldeias, como os mirandezes, digamos, ha razão para se temer esta situação? Não? Sim? Não haverá, neste scenario, talvez, só talvez, possivelmente, quiçá, o perigo de Portugal ser, hmm hmm, usemos a palavra, destruido e dominado?

Quão cretino é preciso ser para desejar uma situação dessas para o seu paiz?

E se o problema é a xenophobia, o racismo, as hostilidades identitarias e religiosas, será que se accredita que só os brancos são capazes destes sentimentos? Será que, digamos, os pretos ou os arabes não são elles tambem sujeitos a estes sentimentos? Será que quem se offende com essas attitudes se dignou, por um ou dois annos, ir viver a Africa, trabalhar, comer, alojar-se, debatter, viajar, investir, para investigar a questão?

...

Marcello, o perigo não está na xenophobia, está nos extrangeiros.

Illusões Suicidas

Um preto é um branco com a pelle escura.

Um mouro é um christão que reza duma forma differente.

Bolsonaro

Todos os annos, morrem 60 mil brazileiros assassinados. Ou seja, o paiz está a arder.

Face a isso, o que interessam a democracia, os Direitos do Homem, o pluralismo, a tolerancia, a egualdade? Não é o momento para meiguice, é o momento para mão dura. Ha tempos em que é preciso indignar-se e batter com o punho na mesa.

É isso mesmo que os brazileiros fizeram. Elegeram um homem colerico, radical, sincero, corajoso. Um homem que sempre esteve a contra-corrente. Um homem auctoritario que quer resolver os problemas, e com poucas condescendencias.

E por isso, quem pode critical-os?

Bolsonaro não vae conseguir resolver os problemas. O Brazil não tem solução. Ha bloqueios partidarios, politicos, raciaes, judiciaes, mentaes. Bloqueios que são intransponiveis. Mas pelo menos o Brazil tem agora um chefe com uma boa attitude.

Força Bolsonaro!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Um Parasita de Luxo

Um rey é visto pela população como um corpo extranho, um peso sobre os seus ombros. Esta attitude de desconfiança perante a auctoridade é positiva. Implica que haja mais resistencia aos avanços liberticidas do Poder.

Já um presidente eleito é visto como um servidor. Como "nosso". Isto faz com que a população baixe a guarda. Não é por accaso que o fardo fiscal das democracias modernas é incomparavelmente mais alto do que o que accontecia sob o Antigo Regime.

Anti-Fascistas Fascistas

Uma particularidade dos movimentos dictos anti-fascistas - a Esquerda arruaceira, na practica - é a sua tendencia, nas raras occasiões em que se assiste a alguma manifestação reaccionaria, para usar da violencia e da intimidação contra os seus inimigos politicos. Isto vindo de gente que pretende defender a tolerancia, a abertura, e a democracia. A unica Direita que toleram é aquella que não põe nunca em questão os "avanços" e "progressos" da Esquerda: a Direita da Esquerda. Mas se alguem quer mudar de facto o rumo da nação, é immediatamente attaccado.

Não se vê reaccionarios a ir quebrar à paulada manifestações da Esquerda. Se accontece é tão raro que se pode dizer que nunca occorre. Os reaccionarios fazem pressão sobre a auctoridade, e deixam a esta o trabalho de applicar a lei. Teem mais respeito pela ordem. Ou seja, os reaccionarios (ou fascistas, ou populistas, ou extrema-direita, como lhe quizerem chamar), que não fazem questão de ser tolerantes mas affirmam pelo contrario que ha valores acyma da democracia e do pluralismo, accabam por ser mais tolerantes que a Esquerda, sempre com a democracia na bocca.

Na verdade, a Esquerda não é democrata. É democrata quando lhe convem, quando isto lhe permite avançar. Quando as coisas não lhe correm de feição, quando os resultados democraticos não correspondem às suas aspirações, faz tudo para reverter a vontade da maioria (tribunaes, bloqueios de estradas, violencias de rua, etc...). Isto em si não é criticavel: a democracia é um falso deus. Mas a hypocrisia e a incoerencia são quanto a ellas, condenaveis.

Se a questão já não é o ser-se ou não democrata, o debatte é um de valores. E ahi, é a Esquerda que tem que explicar porque é que a Direita deveria envergonhar-se. De facto, não ha vergonha em defender as auctoridades naturaes contra a anarquia, a propriedade privada contra o roubo, a sociedade civil contra as expropriações e os impostos, a nação contra as migrações de massa, a monarchia contra o republicanismo, a familia contra as decadencias, a civilização contra o primitivismo, a Fé contra as heresias.

Não basta gritar "fascista" como quem grita "lobo". Isto só intimida os mais timidos. Se não tem argumentos, a Esquerda é simplesmente clubista. É da Esquerda como quem é do Benfica ou do Sporting. Mas se é uma simples questão de pertenças, a Direita tambem pode defender o seu campo fanaticamente e tribalmente.

Hespanha Humilhada

O Presidente do governo hespanhol, Pedro Sanchez, vae à Catalunha presidir a um Conselho de Ministros. É acolhido por milhares de manifestantes independentistas violentos, que só não o massacram porque tem um batalhão de capangas a protegel-o. Apesar de Sanchez ser, por inclinação e por interesse, um homem conciliante com os separatistas.

Isto é, hoje em dia, o que succede na Catalunha a qualquer um que se affirme como defensor de Hespanha. É injuriado e aggredido.

É tempo de tomar medidas de força. Quem tem força não se deve submetter a quem é fraco.

Viva Hespanha!

sexta-feira, 21 de dezembro de 2018

Mulheres em Falta

Em tempo de guerra, é preciso que haja homens dispostos a sacrificar a sua vida para defender a sua nação e os seus valores. Se houver um collapso da moral do povo e do exercito, nenhuma lei, nenhum castigo, nenhuma ordem das chefias, poderão impedir que as forças armadas deixem de combatter e saiam derrotadas.

A situação é identica com as mulheres. Mesmo o maior dos machistas tem que reconhecer que são tão ou mais importantes que os homens. A responsabilidade já não é a de morrer nos campos de batalha, mas sim de dar a vida. Se as mulheres deixam de querer sacrificar-se para fazer e crear filhos (dois ou trez pelo menos), e este sacrificio implica por necessidade practica de se entregar à auctoridade dum homem que sustente a familia, a nação morrerá. Não ha nenhuma lei, nenhum partido, nenhuma forma de governo, que possa impedir isso.

Como, por todo o mundo civilizado, as mulheres deixaram de querer sacrificar-se, as nações civilizadas vão desapparecer.

Pode-se dizer que a questão da natalidade é uma questão financeira. Mas a verdade é que isso é uma fallacia, para a maioria das pessoas. Quando Portugal era muito mais pobre do que hoje, fazia mais filhos. E nações muito mais pobres que as do Occidente - as de Africa por exemplo - são muito prolificas. Não se deve arranjar desculpas à mulher moderna. É egoista, e isso merece ser condenado e criticado.

O Cerne da Questão Democratica

Os pensadores liberaes e anarchistas exprimiram ha muito tempo a ideia segundo a qual o Estado - independentemente do bem que possa fazer - é por natureza perigoso para a vida, a liberdade e a propriedade das massas. Ou seja, teem uma attitude anti-estatista.

Em democracia, esquece-se completamente este discernimento. Pelo simples facto de, todos os quattro annos, se ir pôr um boletim de voto numa urna, para influenciar a escolha dos governantes, conclui-se que a acção das auctoridades fica legitimada.

Se se pensar dois minutos sobre essa conclusão, percebe-se que é ridicula. O que deve governar a acção das auctoridades são principios anteriores e superirores à vontade da maioria de circunstancia. Não valle tudo.

Contudo, por palerma que esta crença seja, é ella que governa o mundo.

Bem vistas as coisas, a democracia é uma religião. Um artigo de fé que, regra geral, não se assume como tal.

A Obra da Democracia

Na Revolução franceza, o Terror, as mactanças de freiras, padres, nobres, endinheirados e inconformistas. No seculo XIX e XX, o socialismo, com a consequente carga fiscal digna duma qualquer escravatura. A pilhagem da Egreja e dos conventos. No seculo XX, a porta aberta aos communistas, que não poucas vezes tomaram o poder pelas armas, com dezenas de milhões de mortes e de escravos nos campos de trabalho forçado, sem contar a miseria que a destruição da economia de mercado provocou. No seculo XXI, o poder entregue a povos hostis, primitivos, barbaros, e a conquista das terras de Christo pela escravatura do Islão.

Mas é supposto accreditar que a democratização do Occidente e do mundo foi um progresso.

A Democracia

Uma farsa tragica, barulhenta, e suicidaria. A discussão permanente de tudo o que é sagrado.

Feminismo


O odio dos homens. A destruição da familia, e portanto, das nações.

PS: e se os homens se revoltassem e começassem a mostrar a pilinha?!

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Catalanices

A aspiração mais importante do povo catalão, o uso da sua lingua propria e a sua não dissolução no seio do povo castelhano, está garantida ha mais de quatro decadas, com o uso da lingua catalã nas instituições da região. Hespanha impõe muitas leis, impostos e burocracias, mas não é nada que os separatistas catalães, todos da Esquerda socialista - e portanto, anti-liberal - não promovam elles proprios.

Dicto isto, a revolta catalã é completamente desnecessaria e illegitima. A maioria castelhana não faz nada aos catalães que justifique um divorcio.

Os separatistas pretendem ser democratas, quando não respeitam a maioria do povo hespanhol, que se oppõe à secessão catalã. Pretendem querer ser livres, quando o que querem é o poder sobre os muitos castelhanos (e catalães lealistas!) que vivem na Catalunha. Defendem uma republica catalã, e não uma monarchia catalã, o que é todo um programa politico (de Esquerda...). Não se assumem como nacionalistas, e que a sua lucta é a de um povo contra outro, porque isto fal-os-ia passar por maus da fita, nos tempos que correm. Mas nacionalistas são.

Emfim, estes nacionalistas catalães são uns bellos manhosos. Vão provavelmente ganhar na sua lucta, porque o rey de Hespanha não tem estomago para fazer o que se impõe para parar a revolta (impôr um governador castelhano, obrigar ao uso do castelhano nas instituições, prohibir as manifestações e os bloqueios de ruas, sob pena da mitralha dos militares). Vão ganhar, porque os partidos de Esquerda, a nivel hespanhol, na caça dos votos da Catalunha, vão mais tarde ou mais cedo conceder-lhe a independencia.

A unica coisa que conseguirão é fazer um Estado fraco entre a Hespanha e a França, sujeito ao primeiro abanão, e necessitado, como todos os Estados europeus, de se defender da immigração africana, principalmente de cariz islamico.


A Vantagem dum Chefe Forte

Um rei ou um dictador teem uma vantagem sobre um simples governante eleito temporariamente: estão acyma da lei, dos tribunaes locaes, dos tribunaes internacionaes, e das opposições politicas. Se não se envolvem em guerras insensatas, e se não demonstram fraqueza face aos seus administrados, teem o seu poder garantido.

E é isso mesmo, em certas circunstancias, que é necessario. Ha momentos na historia das nações em que é preciso tomar medidas de força. É preciso exmagar revoltas injustificadas.

Os que soffrem esta repressão nunca a acceitarão. Se tomam o poder vão, à primeira occasião, vingar-se sobre aquelles que os castigaram. É por isso que um governante eleito nunca pode fazer o que é preciso para endireitar o seu paiz. Tem medo do que virá a seguir.

Expandir a Guerra

Imagine-se que a Allemanha começava a armar, alojar e financiar grupos jihadistas, no seu territorio, para commetter attaques terroristas contra a França, com o intuito de instaurar um caliphado ou uma republica islamica. Nestas circunstancias, seria perfeitamente legitimo a França não só se defender no seu territorio contra estes attaques, como tambem seria necessario e legitimo declarar a guerra à Allemanha, e conquistal-a em parte ou no todo, até que parasse a sua politica de apoio aos islamistas.

A situação foi identica no caso do Ultramar portuguez. Podia-se entregar as provincias ultramarinas aos grupos terroristas que as attacavam - o que foi feito depois do 25 de Abril - ou podia-se ter expandido a guerra para os paizes que durantes annos albergaram no seu solo inimigos de Portugal: o Senegal, a Guiné-Conakry, o Congo e a Tanzania, nomeadamente.

Ahi, teriam surgido immediatamente em scena os apoios, do mundo occidental, a estes movimentos terroristas. A França, os Estados-Unidos, a União Sovietica...

Pode-se dizer que Portugal não tinha força para combatter estas forças maiores, o que é verdade. Por outro lado, não tinha escolha. Quem é attaccado tem que se defender, mesmo que seja para accabar vencido.

Esta questão vae-se pôr novamente nas proximas decadas com o surgimento de movimentos islamistas pela Europa. Estes movimentos serão apoiados por forças extrangeiras que se revelarão quando os seus "meninos" começarem a soffrer derrotas. Ahi, passar-se-á inevitavelmente da guerra civil para a guerra internacional. A Europa podia, noutros tempos, permitir-se abandonar as suas colonias. Não vae poder deixar de luctar pelo coração das suas nações.

O Regresso do Rei

A grande vantagem dum rei é, precisamente, não depender de eleição nenhuma. É porque se pode oppor aos desejos da maioria, desejos estes que são frequentemente simples inveja e cobiça (e rebellião gratuita contra qualquer forma de auctoridade), que um rei é positivo.

Um rei protege os homens de posses contra a cobiça dos mais pobres. Protege o excentrico da furia normalizadora da massa. Protege a burguezia dos revolucionarios. Protege os homens contra a rebeldia das mulheres (sendo elle proprio um marido que não quer ver a sua familia destruida). Protege os patrões contra os trabalhadores. Protege a auctoridade do pae na familia. Protege a Egreja dos seus inimigos. E fal-o porque, sendo elle proprio um homem de posses, de intelligencia, de auctoridade e de tradição, não tem interesse em apoiar movimentos que destruam este estado de coisas.

As massas, atiçadas por demagogos, são incapazes de controlar as suas tendencias destructivas face a homens de elite, de riqueza, de empreendimento, de intelligencia, de originalidade. Face aquelle que sae da norma, portanto.

É porque a Esquerda, moderada ou revolucionaria, quer systematicamente attaccar os homens de posse e de auctoridade, que detesta a monarquia, sendo por tendencia republicana. Na practica, accaba sempre por supplantar a ordem antiga por uma nova ordem, em que domina, e ficar tambem ella, conservadora.

Direitos das Mulheres

Numa altura em que metade dos casamentos accaba em divorcio, e em que ja não se fazem filhos sufficientes para renovar a população, seria mais importante fallar dos deveres das mulheres do que dos seus direitos.

Na verdade, o conceito de "egualdade no casamento" é completamente absurdo. O casal tem bens em commum, e filhos para educar. Todos os dias ha decisões para tomar neste ambito. Se houver discordancias no rumo a tomar, como é natural que haja, tem necessariamente que haver um dos esposos que tenha a ultima palavra. Um chefe, portanto. E a logica é que quem é fraco, a mulher, se submetta a quem é forte, o homem.

A familia não é uma organização de egualdade, é uma auctoridade.

A Logica das Independencias Africanas

As independencias africanas e a descolonização (a expulsão dos brancos e seus descendentes) justificava-se, supostamente, pelo facto de ser uma "oppressão" estas terras serem governadas por extrangeiros.

Seguindo esta logica, não ha nenhum Estado de Africa, à excepção talvez do Lesotho, que não esteja maduro para a guerra civil e a limpeza ethnica generalizada. A verdade é que as nações africanas são todas "nações multinacionaes", com varias povos, identificados por linguas e fés variadas, a viverem sob a auctoridade dos mesmos Estados, misturados uns aos outros.

Obviamente, é ridiculo dizer que um fula da Guiné é opprimido pelo facto do chefe-de-Estado ser, digamos, balanta. E do mesmo modo, não havia qualquer oppressão pelo simples facto das terras africanas serem governadas, cinquenta annos atraz, por portuguezes, inglezes ou francezes. As injustiças, a haver, estariam na substancia de uma ou outra politica, não na proveniencia de quem as practica. Numa nação multinacional, tem necessariamente que haver um povo a governar os outros.

Accresce a isso que os europeus foram sempre, mesmo no auge da colonização, uma minoria infima. Uma minoria dificilmente pode fazer muito mal à massa. Pelo contrario, é a minoria que está em perigo às mãos da massa.

Na verdade, as independencias foram nefastas. Pelas chacinas e guerras civis que provocaram, primeiro. Pelo descalabro de corrupção e de incompetencia que fomentaram, segundo. Africa era melhor governada do tempo da colonização.

Quem falla com os mais velhos que conheceram os antigos regimes ouve frequentemente dizer isso mesmo: "era melhor do tempo dos portuguezes!". Quem vê a Africa negra, com as suas estradas esburacadas, as suas ruas cheias de lixo, os seus hospitaes e escholas decrepitos, os seus funccionarios publicos por pagar durante mezes e quaze annos, e as suas redes de electricidade ou de agua inexistentes ou disfunccionaes, não pode chegar a outra conclusão.


Paz à sua Alma

Deus, pelos vistos, abandonou Portugal. Esta nação está em rota de perdição. Foi bom e bonito emquanto durou. Paz à sua alma.

Guerra Civil

A França tem dez a quinze milhões de habitantes extra-europeus no seu territorio, numa população de cerca de sessenta milhões de pessoas.

Destes, uma grande parte é muçulmana. Ha centenas de mesquitas no territorio. Dezenas de milhares de militares e policias muçulmanos.

Mais tarde ou mais cedo, haverá sublevamentos jihadistas em França. Com ou sem suporte de forças extrangeiras, em materia de armas e fundos. Uma bella nação arrisca-se a ser destruida pela guerra. Sem contar que o territorio conta com armas e centraes nucleares...

No passado recente, houve sublevamentos jihadistas no Mali, na Argelia, na Lybia, na Somalia, na Syria, no Iraque, nas Philippinas, na Russia. Nos ultimos 1400 annos houve um sem fim de guerras de conquista islamica, com um grande numero de nações que foram destruidas, conquistadas e islamizadas. Não custa nada ver que o mesmo pode accontecer à Europa.

On n'est pas sorti de l'auberge!




Racismo e Universalismo

Por um lado, não ha povos amigos, todos teem a necessidade de defender antes de mais nada a sua communidade, o seu territorio, e o poder que o garante. Dahi a legitimidade duma politica nacionalista ou racista.

Por outro lado, todos fazem parte da familia humana, e ha o dever christão de amparar o proximo.

Os povos alternam entre estes dois extremos.